» » » CONHECENDO O MINISTRO RAUL JUNGMANN


Você sabia que o atual Ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE), é um dos citados na lista da Odebrecht apreendida pela Polícia Federal na sede da construtora, em março deste ano, durante a 23ª fase da Lava Jato. A lista foi tornada pública e depois colocada sob sigilo.
Raul Jungmann está sendo investigado em uma possível participação no escândalo do petrolão (desvio de verbas da Petrobras). Os investigadores da Polícia Federal e do Ministério Público Federal querem saber se ele recebeu propina da construtora, doação ilegal de dinheiro para campanha política ou se ele está inocente de fato neste caso.

HISTÓRIAS DE JUNGMANN

Raul Jungmann manteve dois mandatos eletivos, um de deputado federal e outro de vereador em Recife, assim que ele assumiu na Câmara Federal a vaga deixada por Sebastião Oliveira (PR), também de Pernambuco e atual secretário estadual. Porém, em vez de renunciar ao cargo na Câmara Municipal do Recife, ele apenas se licenciou do mandato de vereador.
Em fevereiro de 2015, inclusive, Jungmann recebeu o salário integral pela vereança, mesmo tendo deixado a Câmara Municipal no dia 14 daquele mês. As informações estão no Diário Oficial e no Portal da Transparência da Câmara Municipal do Recife.
Jungmann assumiu o mandato de deputado federal oficialmente em 12 de fevereiro de 2015, passando a receber salário da Câmara dos Deputados, mas entre 12 e 28 de fevereiro, ele foi um "vereador fantasma" na folha de pagamento da Câmara Municipal de Recife, acumulando dois salários por cargos que não podem ser exercidos ao mesmo tempo.
A atitude é incompatível com o discurso de "paladino da ética" que o deputado, hoje ministro, tenta imprimir. A Constituição Federal diz, em seu artigo 54, que os deputados e senadores não poderão, desde a posse, ser titulares de mais de um cargo ou mandato público eletivo.
Jungmann licenciou-se do mandato de vereador conforme Resolução 2.595/2015 da Câmara de Recife, publicada no Diário Oficial do dia 14 de fevereiro, “sem ônus para o erário municipal, por tempo indeterminado, a fim de que possa assumir a função de suplente em exercício de deputado federal, enquanto perdurar o afastamento dos titulares”. Porém, o Portal da Transparência da Câmara Municipal mostra que Jungmann foi pago usando-se o salário integral de R$ 15.031,76 como base de cálculo, igual ao dos demais vereadores que trabalharam o mês inteiro.
Jungmann foi obrigado a devolver R$ 5.366,14 aos cofres públicos.



LEMBRANÇA

Só para recordar, em 2011 o então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, na época no DEM, arrumou uma ocupação para Jungmann na administração paulistana.
Apesar de residir em Recife e estar frequentemente em Brasília, na época Jungmann não viu problemas em ser nomeado para o Conselho de Administração da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que monitora e organiza o trânsito em São Paulo, com salário mensal de módicos R$ 12 mil.


Postador Paulo Pinto

Aqui você coloca uma descrição do postador exemplo. Oi lá! eu sou um verdadeiro entusiasta Na minha vida pessoal eu gastar tempo com a fotografia, escalada, mergulho e passeios de bicicleta da sujeira.
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta