» » » Mulher mata seu filho de 8 anos após vê-la fazendo sexo com o avô


Na última segunda-feira (17) a justiça Italiana condenou Verônica Panarello, de 28 anos, a trinta anos de prisão pelo assassinato do próprio filho, Loris Stival, em 2014. O corpo da criança foi encontrado em um canal em Santa Croce Camerina, um pequeno vilarejo da Sicília, em 29 de novembro, há dois anos. Desde então o Crime vem sendo investigado pela polícia siciliana e trouxe diversas repercussões na Itália, até ao final estabelecido pela justiça essa semana.
A principal suspeita de matar o menino foi a mãe. O cadáver da criança foi encontrado com sinais de estrangulamento, e um exame de necropsia feito pela perícia revelou que ele havia sido estrangulado com cabos de eletricidade e depois jogado no canal. Uma pesquisa policial também foi feita na casa onde a mulher morava com o filho, e chegou-se à conclusão do envolvimento do avô na criança, Andrea Stival, que também foi investigado por sequestro e homicídio.  

Avô da criança absolvido

Durante o processo penal, Verônica foi ouvida diversas vezes e deu inúmeros depoimentos em que se contradizia pelo crime, e disse à polícia de que teria sido ele o responsável pelo acontecido. Começaram então a surgirem suspeitas de que Andrea pudesse ter um relacionamento amoroso com Verônica e que o menino pudesse ter descoberto, e teria sido essa a motivação do crime.
Durante o percurso da investigação essa foi uma possibilidade aventada, mas o avô da criança foi absolvido por inúmeras provas que mostravam que ele não estava no dia do assassinato. O homem de 55 anos disse à imprensa que Verônica sofre de distúrbios mentais e inventou tudo para acobertar friamente o homicídio.
Inicialmente, ela procurou a polícia dizendo que o filho havia desaparecido após levá-lo para a escola, e que ao retornar para buscá-lo ele não estava mais lá. Uma das provas mais contundentes no processo foi um vídeo gravado pelas câmeras de segurança do estabelecimento de ensino onde estudava a criança, que mostra que Verônica não havia comparecido para buscar o menino e que estava mentindo.

Pai encontra a paz


A defesa disse que recorrerá da decisão da justiça; no momento da leitura da condenação no tribunal, Verônica apareceu bastante emocionada e dizendo repetidamente ser inocente. No entanto, para o pai do menino, David Stival, que até ao meio do processo acreditava na mulher, disse que agora finalmente poderá descansar depois de dois anos de inferno. Ele, que mudou de opinião ao longo do julgamento, disse que não acredita mais na mulher, que ela inventou várias mentiras para acobertar o crime. Ele agora tenta cuidar do irmão mais novo de Loris e fugir da imprensa, e espera que a ex-mulher pague pelo crime bárbaro que cometeu.

Fonte: blastingnews

Postador Paulo Pinto

Aqui você coloca uma descrição do postador exemplo. Oi lá! eu sou um verdadeiro entusiasta Na minha vida pessoal eu gastar tempo com a fotografia, escalada, mergulho e passeios de bicicleta da sujeira.
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta